LCL

[Semana 1 Atividade] Objetos da infância


#141

@Rodolfo…meu sonho de consumo na infância/adolescência…rsrsrs


#142

Gostava de desafios com as brincadeiras que me faziam ao mesmo tempo movimentar-me e concentrar-me. Gostava muito das brincadeiras de correr, esconder, pular corda. Brincava com irmãos, com colegas e amigos da escola, com vizinhos. O que me empolgava muito, quando pulava corda, era o ritmo acelerado dos companheiros de brincadeira com o giro da corda envolvendo-me. Exigia concentração e rapidez de movimentos. Hoje tenho condições de entender isso. Gostava dos desafios, mas de modo que eu pudesse pensar no que estava fazendo. Não era o pular pelo simples pular. Trouxe da infância a característica da busca do sentido das coisas.


#143

Um objeto inesquecível da minha infância era o balanço que meu pai construiu para nós. Ele gostava de marcenaria e fez um balanço de madeira, muito jeitoso. As crianças da vizinhança adoravam brincar no nosso quintal, No meu tempo de criança, eram raros os brinquedos comprados. Por isso, valorizávamos muito qualquer brinquedo simples que construíamos.
O jeito comum de usar o balanço era com uma outra pessoa empurrando o balanço. Mas eu era muito independente e queria balançar sem ajuda. Queria também ir muito, muito alto. Então, por tentativa e erro, descobri que precisava estender as pernas quando ia para a frente e dobrá-las quando ia para trás. Assim, consegui ir bem alto!
Acho que esse balanço é um bom símbolo do meu jeito de agir, buscando respostas e tentando ser independente. Além disso, havia o lado afetivo: aquele brinquedo tão apreciado foi construído por meu pai. Ficou na minha lembrança!


#144

Dois objetos vieram a mente, Primeira minha bicicleta vermelha, e depois meus patins. Ambos importantes entre meus 7 e 10 anos. Usados intensamente, me permitiam desafios e emoção. Cair e levantar, chegar aonde queria. Adorava esses brinquedos.


#145

Quando criança eu e meus irmãos não tínhamos acesso aos brinquedos industrializados. Tínhamos e exercíamos muito bem nossa criatividade, pois usávamos legumes, galhos de árvores, frutos e muita, muita imaginação para criarmos nossas histórias e nos divertíamos muito. com o passar do tempo tivemos acesso aos primeiros brinquedos de montagem da época e com eles construíamos castelos, casas enquanto aprendíamos os conceitos das formas geométricas. Depois começamos a nos divertir com jogos de dominó, de cartas, tabuleiros de damas e outros, mais uma vez passamos a utilizar nossa capacidade de criar estratégias mentais para solucionar problemas. Sempre gostei de compartilhar meus aprendizados e de certa forma acredito ter criatividade e facilidade em aprender a aprender e por isso me tornei uma educadora.


#146


#147

Na minha infância e ainda hoje, o Cubo Mágico é um brinquedo que desafiou minhas habilidades, apresentou magia, curiosidade, encantamento.
Quando criança, eu imaginava que conseguiria resolver o desafio, montando uma cor de cada vez; consegui ajustar até três cores do cubo com essa “teoria”. Desconhecia o algoritmo da combinação de movimentos que solucionam o instigante quebra-cabeça das cores.

Muito tempo depois, perto dos 30 anos, reencontrei-me com o brinquedo, consegui entender e resolver o cubo mágico. Isso foi fantástico, voltei a ser criança!!! Fiquei encantada e muito motivada com a descoberta!!! :slight_smile:

E agora tenho a motivação de reduzir o tempo de resolução, além de tentar entender o algoritmo de outros tipos de cubo mágico.


#148

Que legal, igual à minha história!


#149

Quanta história legal vi por aqui. Muitos objetos que remeteram à minha infância, eu fui um criança feluz e tive varias coisas bacanas. Mas eu não gostava tanto de alguma coisa como o Papert gostava das engrenagens. Mas tem um objeto que representa um pouco o caminho que decidi trilhar na minha vida.

mpg_karaoke01

Eu brincava com esse, mas o que eu mais gostava era um aparelho de som com 2 decks para fitas quw tínhamos em casa. Eu gostava de inventar uma rádio, narrando acontecimentos, chamando músicas. Erra muito legal! Acho que isso influenciou quem eu sou e o que eu faço. Fuz jornalismo e sempre gostei de rádio, até criei um programa paea crianças na epoca da faculdade do qual me orgulho ate hoje. Atualmente não trabalho em rádio, mas acredito na Educomunicação e no seu poder transformados na vida das pessoas.

Abraços a todos
Carin


#150

download
Um objeto que marcou minha infância é o giz. Lembro me com carinho de quando era criança e eu e minhas amigas passávamos a tarde na rua de casa desenhando e arquitetando o interior de casas para representá-las na rua. Desenhávamos todos os cômodos, pintávamos eles… lembro-me de como era divertido a nossa interação e as nossas criatividades.


#151

image
Eu tinha esse brinquedo desde muito pequeno. Mas jamais me lembro de usá-lo como bingo. Os cartões de papelão firme e as pedras redondas de madeira eram ótimos materiais para montar estradas, onde meus carros de ferro passavam, cruzamentos com semáforos, viadutos (as pedras eram as bases), prédios de vários andares, autódromos, etc.


#152

Eu tenho em casa! É divertido reunir a família para jogarmos.


#153

Nossa! Que lembrança legal! Lembro que desenhávamos no asfalto que só eram apagados quando chovia. Desenhamos muitas amarelinhas com giz e, quando não tínhamos, riscávamos a rua com tijolo.


#154

Confesso que até hoje não consegui resolver o cubo mágico! kkkk


#155

@Moisa_Silva: Meu avô fazia cama, guarda-roupa, fogão, geladeira, entre outros com caixa de fósforo. Eu encapava todos os objetos. Saudade!


#156

Eu não tinha muitos brinquedos, por isso cresci construindo: pandorgas, estaladores, rolinhos, pernas de pau, bodoque, carrinho de lomba e muitos outros brinquedos. Gostava de desmontar qualquer aparelho mecânico ou eletrônico e montar de novo. Quando estes objetos não tinham mais uso acabavam compondo algum outro brinquedo, os relógios despertadores eram meus preferidos, deles retirava as engrenagens para fazer peões e temporizadores para alguma traquinagem.


#157

Um dos meus objetos era esse:


Assim como os quebra-cabeças, eu adorava! Com ele fui treinando a observação e desenvolvendo estratégias para ser mais rápida. Sem dúvida, observação nos mínimos detalhes é até hoje um dos meus fortes, sou super visual - aprendo vendo ou imaginando figuras/esquemas/gráficos!


#158

Quando eu era criança não tinha muitos brinquedos, então acabei me envolvendo muito com a leitura, mas, também, não tinha livros e minha escola não tinha biblioteca, a biblioteca era uma prateleira de livros dentro da secretaria. Nessa época minha mãe trabalhava na escola como auxiliar de secretaria, então eu implorava para ir trabalhar com ela a noite, só para pegar um daqueles livros e ficar quietinha lendo. Um dos meus livros favoritos era Marcelo Marmelo Martelo da Ruth Rocha, eu adorava aquele menino perguntando sobre os porquês das coisas. Os livros me abriram uma porta para outro mundo, graças a minha curiosidade por leitura eu fui me motivando para crescer, percebi que aquela cidade era muito pouco para mim e, que eu poderia alcancar muito mais. Saí de casa e do meu estado aos 19 anos para fazer faculdade de psicologia e ontem eu defendi minha dissertação de mestrado pela faculdade de medicina de São Paulo. Definitivamente os livros foram meus melhores objetos da infância.
id_7760_marcelomartelo


#159

brinquedos

Lembro que brinquei muito durante minha infância, normalmente sozinho, pois minha irmã e meu irmão são bem mais velhos que eu, e já não moravam mais conosco.
Como morávamos na zona rural da cidade, os amigos eram poucos.
Sempre adorei a ideia de ser um cientista, então, nada mais legal que ter brinquedos que proporcionassem experiências práticas em áreas como química, física e biologia.
Os mais utilizados nas minhas experiências era um microscópio que herdei de meus irmãos e um kit de laboratório de química que ganhei em um natal.
Cresci sempre imaginando que seria um cientista, com jaleco branco, tubos de ensaio e tudo mais…
Atualmente sou professor de matemática e robótica e confesso que, durante toda minha infância, nunca imaginei que estas profissões me tornariam um cientista …


#160

Eu também usei bastante o pantógrafo e o espelho mágico para copiar desenhos.
que delícia relembrar!!