LCL

[Semana 1 Atividade] Objetos da infância


#101

Quando tinha 10 anos ganhei da minha Professora de Português um livro, Poliana, esse foi meu objeto favorito, e depois desse livro não parei mais de ler, isso mudou minha maneira de ver o mundo, minha relação com as pessoas, é até hoje um referencial de comportante para mim. A partir da leitura e das atividades desenvolvidas em sala de aula, como desenvolvimento de concursos de redação, produção de jornais, rodas de leitura e recitais de poesias consegui desenvolver meu senso crítico e me motivou a estar entre os melhores alunos da turma.


#102

O que marcou muito minha infância foi o meu Master System!

Eu lembro de ter ficado encantado que ele vinha com um jogo na memória, Alex Kidd in Miracle World. Diferente do Atari que todos os jogos eram no cartucho.

Outro jogo que lembro muito é o Castle of Illusion, com o Mickey! Que jogo fantástico! Esses jogos ajudam demais a coordenação motora, planejar ações, aprender com os erros. Deu até vontade de jogar novamente!


#103

O objeto de infância que ficou guardado na minha memória não era exatamente um brinquedo, mas eu gostava muito de desmontar e, obviamente não conseguia remontar. Estraguei muitos deles e tomei muita bronca por isso, mas não resistia… e quando ficava muito quieta, podiam ir atrás,
porque eu estava desmontado um relógio despertador… era irresistível e eu sempre tinha a certeza de que poderia remontar direitinho…6CFDC3CD-C345-42B1-97FC-6DFAAD0EF4C0


#104

Soltar papagaio (em Belo Horizonte) (pipa em São Paulo) em cima da laje!
Não apenas soltar, mas passar cerol e tosar os outros ou ser tosado.

Aquilo me fascinava!
Acho que é bem retratado neste artigo.


#105

O primeiro brinquedo que me veio à cabeça foi a boneca Barbie. Pois é, me lembro que este era um brinquedo caro e não muito acessível na época.

Tinha apenas duas bonecas, um boneco (Ken) e uma banheira da mesma marca. Mas, o que eu mais gostava era de criar objetos para montar a casa dessas minhas bonecas, pois como não podia comprar a sala, o quarto, a cozinha, o carro, etc, acabava criando objetos para montar estes ambientes. Passava horas nessa brincadeira. Muitas vezes passava mais tempo montando a casa, do que brincando com a boneca em si.

Depois surgiram novos desafios: precisava de roupas para as minhas bonecas. Passei então a pegar retalhos de tecidos (minha avó costurava, então pegava alguns pedaços de panos que sobravam) e desenhar, recortar e costurar as roupas para as minhas bonecas.

Também me lembro de dois jogos que gostava muito: dama e resta 1. Adorava pensar em estratégias para vencer, e a cada jogo, ia aprimorando cada vez mais minhas próprias estratégias.


#106
  1. Na minha infância, entre os 5 anos e 10 anos, minha paixão era ser coroinha, lembro bem que minha mãe não tinha condições de fazer as vestis para que eu realizase este desejá, mas ela fez de tudo para realizar meus sonho, isto me marcou muito. Já com meus 18 anos comprei minha primeira maquina fotografica uma Yashica e depois com 23 anos e 12 meses uma Pratica B200 Eletronica com uma lente 200mm(uma maquina Alemã), este também era um desejo de criança. Hoje quando vejo minhas netas usando tablet, smartphone dos pais e quando pedem para usar o meu Note, smartphone, me sinto feliz por poder dar esta oportunidade. Acho que é isto.

#107

Meu objeto da infância foi uma lousa… lá na infância eu já adorava dar aula, dava aula para meu irmão, 1 ano e meio mais novo e continuei pela infância e adolescência corrigindo e ajudando meus irmãos com as tarefas de casa…


#108

Adorava isso tb!!! Meu lado matemático…


#109

Que delícia, lembrei da Bruna Lombardi de papel que eu tive na infância.
Eu também desenhava roupas em papel de caderno e colocava por cima. Criava meus próprios modelos.
Que delícia lembrar.


#110

Esse ainda é meu jardim de infância. Adoro colorir e faço nas horas vagas até hoje.
:slight_smile:


#111

Pensando sobre minha infância e sobre os brinquedos que me motivaram a minha curiosidade e incentivaram minha criatividade, acredito que um rádio gravador que ganhei aos 11 anos mudou minha vida.
Sempre fui apaixonado por música e minha casa era um ambiente repleto de discos e música o tempo todo. Mas o gravador foi diferente, pois comecei a gravar o que hoje vejo serem programas de rádio apresentando ideias e músicas.
Creio que isso tenha me levado à faculdade de Jornalismo antes de Letras e ainda fomente meu amor pelo rádio e pela música.

image


#112

Durante boa parte de minha infância desenvolvi uma verdadeira paixão por desmontar brinquedos.
https://goo.gl/images/d8Hha7
Isso gerou alguns conflitos, principalmente quando desmontei uma boneca de minha irmã e não consegui montar novamente. Hoje aplico " Agency by Desing" em alguns projetos desenvolvidos com alunos do Ensino Fundamental, em atividades extracurriculares.
Refletindo sobre essa influência em meus processos de aprendizagem, percebo que essa paixão me acompanha e marca diretamente minha vida acadêmica e profissional.


#113

Nossa! Amava brincar de elástico nos pés também. Hoje quando vejo minha filha de 8 anos brincando com o elástico me dá uma saudade sem tamanho!! Outro dia fui pular com ela e quase que eu quebro o joelho :rofl::rofl::rofl::rofl: tem brincadeira que não dá mais :laughing:


#114

Não lembro de jogos especialmente no jardim de infância, pois na época estudava em colégio de irmãs e o ensino era tradicional, fazia muitos preenchimentos com pontilhados e letra cursiva. Mas lembro-me de uma época em que usava muito o pega-varetas. Eu adorava, especialmente quando conseguia pegar aquele que valia mais pontos.


#115

Foi a primeira coisa que lembrei. Se não me falha a memória, lembro que as vezes entrávamos eu e meu irmão numa dessas. Vendo o tamanho disso agora, fico imaginando como conseguíamos.


#116

Eram muitas as brincadeiras. Desde dirigir uma máquina de costura a pilotar um carrinho de rolimã na descida da ladeira. Bola de gude, rodar pião, os piques-pegas com os amigos, brincar de quartel, fazer máscaras com moldes de barro para o carnaval, etc…
Não consigo lembrar de nada especificamente que tenha me influenciado. Mas uma coisa é certa, as dificuldades de ser muito pobre na infância nos municiava de ideias e criatividade para inventar brincadeiras e brinquedos. Tenho certeza que isso me deu capacidade de adaptação às adversidades e usar a criatividade para superar desafios e dificuldades.


#117

Tive muitos brinquedos dos quais tenho lembranças muito carinhosas. Gostava de construir cabanas, pequenos trechos de cidades imaginadas, a partir de objetos-móveis da sala. Gostava, sobretudo, de construir histórias dentro desses cenários puerilmente organizados e de povoá-los com toda sorte de bonecos e bonecas.

Hoje vejo o quanto isso foi determinante para a escolha da minha carreira - professor de leitura e de produção de texto - e para o modo como eu me relaciono com as demandas do meu dia a dia dentro das salas de aula.


#118

A minha infância foi espetacular!
Morei em uma rua com muitas crianças.
Brincávamos de pega-pega, mãe da rua, esconde-esconde, bolinha de gude, bets (taco), futebol e muitas outras… Tenho certeza que todas contribuíram mas com certeza 2 objetos foram inesquecíveis:

  • andar de bicicleta (sem rodinha kkk) sensação de liberdade, autonomia, fluidez, equilíbrio e o poder de ir mais longe.

  • MSX da Gradiente
    Durante muitas horas ficava digitando dezenas de linhas código para “rodar” um programa … eu tinha a sensação que escrever esses códigos me davam muito poder. Nos dias de hoje acredito que os meus alunos diriam: - Hacker! kkk


    image


#119

Esse brinquedo era espetacular! Construí diversos sonhos e o incrível era colocar o motor, as portas, rodas e o vidro … que lembrança boa!


#120

Demais esse brinquedo. Havia uma coleção maravilhosa com caminhão basculante, escavadeira… Show!