LCL

[Semana 1 Atividade] Objetos da infância


#81

Olá!

Durante parte da minha infância dentre muitas coisas a que lembro com clareza é que sonhava com os desenhos da disney das histórias em quadrinhos. Quando se comprava o pão de quarto no Armazém vinha enrolado em um papel branco que guardava e usava mais tarde para desenhar.
Abria um Gibi e ficava por horas estudando as linhas os entornos e reproduzia o desenho na folha em tamanho maior do que a figura que visualizava.


#82

Tive minha iniciação na música através do Piano Teclado Infantil. Estimou muito minha percepção musical, todo lugar que ia levava esse piano rsrs.

image


#83

Quando eu era pequena, uma das coisas que mais me intriga era o compasso. Minha mãe era uma professora e costumava usar seus alunos.
Comecei a explora-lo pelas pontas (furei muitas coisas, inclusiva e mim mesma), depois ao começar a entender a funcionalidade passei a expora-lo como recurso para desenho, hoje quando utilizo o scratch me lembro muito dele na hora de ajudar as crianças a compreender a questão dos ângulos!

compasso-tecnico-trident-9021_1_180


#84

Dentre as várias coisas que me lembro de imaginar, criar, desmontar e montar quando eu era criança, uma das que mais me marcou foi juntar encartes de lojas de eletrodomésticos ou utilizar qualquer material, até caixinha de sabonete, para criar minha casinha.
Eu não me interessava por aquelas casinhas prontas, até tinha a cozinha e a sala de brinquedo, mas o meu negócio era recortar os móveis que eu gostava e ficar colando nos rodapés e/ou no meio da sala. Passava horas escolhendo, recortando, colando, mudando o lugar, imaginando o cenário e o enredo dos personagens da casa.
O engraçado é que não era apenas uma casinha de bonecas, eu criava personagens, heróis e anti-heróis, intrigas, amizades, aventuras.
Como eu gostava e ainda gosto de livros e filmes de ficção científica e aventura, isso influenciava até nas minhas brincadeiras.


#85

Minha Infância…

Lendo o texto e as postagens dos colegas lembrei de várias brincadeiras e atividades que fiz na minha infância; brincar de boneca, panelinhas, andar de bicicleta (lembro que dei muito trabalho para minha mãe para aprender a andar sem rodinha), brincadeira de escolinha, as bonecas de papel…
Também lembrei de um dia que queria brincar de jogo de botão, como não tinha um peguei a caixinha de botões da minha avó e montei dois times…
Usava muito a imaginação e a criatividade.

Aproveitei muito a minha infância…

Abraços,
Cristina


#86

Olá!!

Pois é, estava aqui pensando nos famigerados objetos, qual seria o que mais me interessava… e percebi que duas coisas marcaram a minha infância: histórias e artesanato.

Por mais clichê que possa parecer, quase não havia noites em que a minha mãe não contasse histórias… e como não eram poucas as noites em que ela estava bem cansada, várias vezes pedia para que eu (ou eu e meu irmão mais novo) terminássemos a história enquanto ela cochilava. Só que a gente ainda não sabia ler! Então criava finais mirabolantes para todo tipo de história…

Para além dos livros e dos gibis (e até filmes e desenhos), as coisas que me marcaram eram a gata borralheira se revoltando, o dragão colocando fogo em tudo, o rei andando pelado na rua, a Magali tendo ataques de comilança, os planos mirabolantes do Cebolinha, dinossauros… acho que foi por isso que aprendi a ler em casa com 5 anos… e a primeira palavra foi Cebolinha.

Por isso não posso dizer que os objetos são livros e gibis, pois para além deles eram as histórias que estavam presentes em cada brincadeira, com bonecos, bonecas, bichinhos, fantoches…

O artesanato fica por conta da constante invenção de moda da minha mãe, que além do trabalho fixo, vivia (e ainda vive) fazendo coisas diferentes para vender (e porque ela adora fazer coisas com as mãos, estilo artífice). Então cresci vendo mesas cobertas de potes de cerâmica que seriam recobertos com sacos de estopa e pequenos enfeites de lona e outros materiais; uma casa revirada de cabeças, pernas e outras partes de bichinhos artesanais de plush; ou então de cubos de espuma funcionais para crianças, com cadarços, rebites e afins; mochilas dos mais variados personagens inventados por ela… o que eu fazia enquanto via isso? Ficava enlouquecida com os diversos materiais e queria imitar, criar coisas igual a ela, inventar personagens, tentar costurar… montar as cabeças, colocando cabeça de urso no corpo do elefante…

Como essas duas coisas afetaram a forma como eu penso e aprendo? Eu aprendi que existem muitas formas diferentes de ver uma coisa, sempre é possível criar uma história nova, trabalhar com objetos e materiais diversificados, e que a criatividade não tem limites. Apesar de atuar no ensino de Ciências, sou muito ligada às artes e tenho uma certa loucura dentro de mim… dessas loucuras boas, que busca questionar a primeira resposta e buscar diferentes formas de encarar um problema e também que às vezes preciso extravasar em aulas de teatro, assistindo a peças, tocando piano, cantando… rompendo com a “normalidade”.

E como foto representando pelo menos em parte as coisas da minha infância, coloco aqui um gato que fiz de papel machê quando criança… e pintado pela minha mãe.

Desculpa o texto longo, mas adorei essa atividade e, como falei, gosto de histórias :grin:


#87

Durante a minha infância, tive ótimos brinquedos, mas o que afetou a maior parte da minha vida adulta foi Lego. Com ele, eu podia construir e reconstruir meu próprio mundo, não importa quantas vezes eu quisesse. Nesses momentos de jogo, eu podia treinar minha imaginação e criar coisas novas que eu inventava.


#88

Lembro-me que podia passar horas pelas ruas de todo o mundo sem sair do quintal de minha casa. Era um motorista de ônibus e o meu veículo imaginário possuía apenas o volante, as panelas da cozinha! Acho que esses momentos lúdicos ajudaram a fomentar minha imaginação e o poder de decisão, já que em meio a tantas viagens, aventuras eram vividas e atos de coragem, frequentemente, eram realizados por essas estradas imaginárias.

panelas


#89

Os objetos da minha infância que, certamente, me influenciaram foram os bonecos e revistas em quadrinhos. Tanto que hoje alguns projetos que desenvolvo no campo da Educação Matemática envolvem o uso de jogos de RPG ou narrativas interativas. Tudo o que eu fazia quando viajava na imaginação ao construir as aventuras com meu irmão ou nas minhas leituras de HQs.

Consegui até resgatar meu He-Man que estava guardado com meus pais. Olha ele aí :smiley:


#90

Um dos brinquedos que mais gostei era um Kit de peças de madeira , similar ao Mecanno, já inventava muitas coisa. Achei uma imagem que lembra o Kit que falei… Ma tinha muitas outras peças… Em segundo lugar uma bola de volley…brinquedo


#91

Nossa que lembrança boa!!! Desci muito uma “ladeirona”, com carrinho que eu, meu irmão mais velo e meu pai fazíamos!!! Hoje retornando ao local vi que não era tão íngreme assim rsrsrsr


#92

Eu tinha uma particularidade muito interessante em minha infância: Não me sentia satisfeito com a forma em que os brinquedos vinham prontos (montados).
Influenciado por um amigo da turma de segundo ano do ensino fundamental, que me mostrou o funcionamento de um motor ligado a um par de pilhas, adorava desmontar meus brinquedos pra tirar as peças e montar meu próprio carrinho.
Aquilo dava motivo de orgulho em criar brinquedo próprio, mesmo que não tinha um apelo visual deslumbrante e pela insatisfação de meus pais em entender porque desmontava os “lindos” brinquedos que ganhara.
Hoje vejo que este período da infância, me oportunizou hoje trabalhar em algo que amo, criar constantemente projetos e “bugigangas” que desenvolvem a criatividade e imaginação, minha e de meus alunos!


#93

Na minha infância gostava muito de brincar com o “Aquaplay”. Eu passava horas e horas tentando colocar as argolinhas no local correto. Algumas vezes estabelecia até regras da sequencia a ser colocada tomando as cores como referência. Só agora pude refletir o que na verdade estava praticando. Na verdade eu brincava era de analisar, pensar em processos e estratégias e praticava a arte de ser paciente. O que descreve hoje algumas das principais características da minha personalidade.
image


#94

Uff. Tantas boas lembranças e referências de uma infância muito feliz…tinha um bonequinho Comandos em Ação que eu não desgrudava nem pra tomar banho ou dormir…e também um kit mecânico, chamado Kitspock, também chamado Meccano lá fora…mas talvez dentre essas referências, uma que muito me inspirou - e ainda me inspira - seja a coleção do Manual do Escoteiro Mirim! Eram horas e horas imersas naquele mundo não tão fantasioso, com dicas das mais úteis!

image


#95

Meu objeto de pensar com preferido foi o Laboratório de Química!

Meu irmão ganhou um kit, do tipo Pequeno Químico, e me apaixonei por misturar os elementos.
Fazíamos a celebre experiência de “sangue do diabo” , aquela que vc joga um líquido em alguém e a roupa fica manchada de vermelho, mas a cor e a mancha somem em alguns minutos.

As diversas possibilidades de combinação me instigaram a conhecer e gostar de química e ciências, foi o inicio de minha alfabetização científica.

image

image


#96

Um brinquedo que eu gostava muito era o jogo Espirograf ! A oportunidade de experimentar as diferentes engrenagens com movimentos diversos me fascinava! Havia um pouco de mistério sobre o qual seria o resultado dos desenhos e poder testá-los era sensacional!
O resultado me agradava sob a perspectiva estética! Ficavam bonitos e eu me sentia feliz por ter produzido algo bonito!!

estrela-jogo-espirograf-espirografo-anos-80-D_NQ_NP_984711-MLB25749030501_072017-O
250px-Various_Spirograph_Designs


#97

a lembrança mais marcante não foi um brinquedo, mas sim a caixa de madeira que guardávamos de tudo. a grande brincadeira era retirar os brinquedos(muitas vezes não inteiros) e ver que uma peça de outro brinquedo encaixava numa outra e tínhamos um novo brinquedo.
hoje tenho uma facilidade para assimilar estas “misturas” e controlar estas transformações.


#98

O objeto da minha infância foram os gibis. Eu adorava explorar as cores e images tentando descobrir o que estava escrito. Aprender a ler e descobrir como as estórias eram e como as imagens estavam organizadas foi fascinante!


#99

Eu também li toda a coleção de Monteiro Lobato. E também sou graduada em Letras…Livro pode sim ser entendido como um objeto que desperta a criatividade e a curiosidade!


#100

Os objetos que marcaram a minha primeira infância foram canetinhas, lápis de cor, revistas e objetos encontrados no quintal.
unnamedimages