LCL

[Atividade 1] Objetos da infância


#82

Olá! Eu me lembro de ficar admirando o globo terrestre. Depois alguém me deu uma pequena bonequinha de “Hospedeira do ar” e eu adorava ela e queria ter essa profissão no futuro para poder viajar de avião por todo o mundo. Acabei sendo professora primária mas tenho desenvolvido projetos internacionais na plataforma eTwinning e o contacto com professores de outros países me tem dado grandes alegrias a mim e aos meus alunos. A minha sala de aula tem sempre uma janela aberta (computador) para as salas de aula dos colegas estrangeiros.


#83

Boa tarde a todos!
Quando eu tinha uns seis anos, meus pais abriram uma empresa de transporte e adquiriram dois ônibus para fazer viagens. Com isso, tiveram que abrir um escritório pequeno na frente de casa para atender as pessoas e compraram uma máquina de escrever para emitir documentos como lista de passageiros, recibos, ofícios, dentre outros. Nesse sentido, posso dizer que o objeto de infância que mais influenciou na minha vida adulta foi essa máquina de escrever.
Eu brincava muito de escritório com minhas primas e adorava escrever documentos, bem como brincar de escola e de dar aula emitindo documentos na máquina de escrever.
Atualmente, tenho muito fluência para escrever e sou professora de Matemática. Infelizmente, minha família sempre foi muito pobre e necessitei trabalhar muito para conseguir melhorar de vida, me formar e conseguir passar em concursos públicos. Acabei deixando de lado esse meu hobby de escrever, pois não tenho muito tempo para ler e isso dificulta a melhora na escrita.
Com certeza, essa máquina de escrever foi muito importante para consolidar na prática a minha vontade de ser professora. Além disso, na 8ª série participei de um concurso de redação e fiquei em segundo lugar da região sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Não suporto erros de ortografia e acredito que isso também seja reflexo desse meu objeto de infância.

Abraços,

Geslaine Taís Wasem


#84

image
Disponível em: https://search.mysearch.com/search?&apn_uid=F61F6D02-685C-400B-9212-823E9BF58AD4&b=ttb&ctype=pictures&doi=2018-10-03&enc=0&gct=ds&guid=F61F6D02-685C-400B-9212-823E9BF58AD4&p2=^CYV^prs002^B2BMS^en&page=1&q=máquina+de+escrever&si=IRS1840bbk0epo8acegik1tcabg&tpr=10&imgs=1p&filter=on&imgDetail=true.
Acesso em: 21 out. 2018


#85

Boa tarde

Essa é a verdadeira máquina de escrever de minha infância. Minha mãe mandou uma foto dela, pois estava guardada. :slight_smile:


#86

Oi Tais, quando estudava na 6ª série do Ensino Fundamental II, em uma escola pública, conheci o material dourado numa atividade. Foi maravilhoso. Em seguida tive a oportunidade de trabalhar em uma escola pública, na biblioteca, e sugeri aos demais professores para utilizarem esse recurso no ensino e aprendizagem das dezenas e centenas, nas medidas dos quadrados e cubos, nos problemas com números decimais e raiz quadrada, entre outras aplicações possíveis para esse material. Valeu pela lembrança.Abraços.


#87

Oi Denise, acredita que aprendi o alfabeto, processo que muito colaborou em meu processo de leitura e escrita, com o mesmo papel de pão. Papai recortava um circulo em um pedaço de papel e ia mostrando as letras para eu ir falando que letra era. Desça forma eu ia falando e me apropriando das letras de forma não linear. Ajudou bastante meu processo de alfabetização. Não tinhamos jogos digitais, nem apps e iamos aprendendo conforme a nossa realidade mesmo. E valeu muito.


#88

Verdade Viviane, tinha a brincadeira de pular elástico… Essa brincadeira era muito criativa mesmo e fácil de ficar horas brincando. Muito legal.


#89

Muito legal Maria. Eu também amava o globo, mas nunca tive um. Eu tive um atlas geográfico grandão que eu ficava um bom tempo observando alguns lugares no mundo.


#90

Que legal Geslaine. Tu deves olhar para a máquina e lembrar de muitos momentos com ela né?
Eu também brincava com uma máquina de escrever parecida com a tua, mas era do meu pai. Em 1996, eu acho, meu pai comprou uma olivetti eletrônica, e era incrível! Tinha uma fita que rasurava e nem aparecia o erro… Eu escrevia letras de músicas escondida, porque as fitas eram caras :grin::grin:


#91

Escolhi essa imagem porque me remete a muitas lembranças.
Primeiro porque eu não comprava o caminhão de madeira, mas construía as peças com meu pai e depois montava. Sem perceber eu estava aprendendo muitos conceitos de geometria e simetria.
Por exemplo:
Não tínhamos uma serra circular, então meu pai me dava um quadrado de madeira e pedia para eu gastá-lo no chão até se tornar um círculo.
Lembro que para a parte de trás era necessário montar um retângulo, então lembro das faces opostas (lógico que não com esse termo), mas me lembro de ter que ter duas iguais.
Colocávamos a roda de madeira mas para prendê-la era necessário amassar uma tampinha de garrafa com um prego, nem me dava conta que isso servia para a roda não sair.
Meu pai estimulou demais minha infância com essas brincadeiras onde eu aprendia muito.
Hoje sou um professor de matemática.


#92

O texto me fez lembrar do fascínio que sempre tive por máquinas de escrever… Aos 12 anos pedi para ser matriculada em um curso de datilografia… Amava abrir a tampa superior e observar o resultado de pressionar cada tecla, trocar a fita, realizar a limpeza e a troca da fita. Atualmente me presenteei com uma belezinha dessas! #Nostalgia


#93

eu me lembrei que quando criança enquanto não via o que tinha dentro não sossegava kkkkkcomo é bom ver que tem mais pessoas que também fazia " arte".


#94

Brinquei muito na minha infância, adorava brincar de boneca e fazer com caixa de sapato, o quarto, a cozinha…usa muito a imaginação e a criatividade, tinha uma boneca Suzi que tinha uma bicicleta, não tenho mais ela, de tanto brincar acabou estragando, achei uma imagem na Internet.
foto1 foto2

Abraços,
Cristina


#95

Fique uns dias sem acessar, mas em respeito a essa pergunta, é demais a gente começar a tocar num ponto tão importante de nossas vidas, principalmente puxar algo de tão distante lá guardadinho na nossa memória.

Acho que a relação disso com a aprendizagem é nos mostrar que quando vivenciamos algo, e nos apaixonamos, aquilo nos marca de uma maneira que por mais que o tempo passe fica difícil não se lembrar.


#96

Na minha infância não gostava de atividades físicas e preferia a tranquilidade dos meus “tesouros”… minha mãe sempre conta que desde muito pequena gostava de ficar fazendo “artes”, tinha um tapetinho de lã onde costumava trabalhar concentrada por horas e até hoje brincar com esses materiais me acalma. Sempre fui apaixonada por cola, tesoura e muito papel colorido!!

cola


#97

Oi pessoal!
Um dos objetos que marcou minha infância foi o “Apollo” apolo
Nas viagens que fazia com meus pais, sempre ia jogando tetris no banco de trás. Penso que ele (e tantos outros jogos que pratiquei desde criança) me auxiliaram a trabalhar meu pensamento lógico (não que ele seja muito bom hoje em dia, rsrs), mas acho que foi fundamental para meu crescimento.


#98

Máquina de escrever é tudo de bom!
Minha infância também foi marcada por este objeto maravilhoso, e, olha a coincidência, aos 12 anos a escola lançou a proposta de escrevermos um livro, e eu aproveitei para escrever um romance adolescente de 58 páginas. Na época muita gente já tinha computador, então eu ia toda noite na casa dos meus tios para passar o texto para o Word e trabalhar em uma capa. Depois tive ajuda de um amigo da minha mãe para formatar a digitação, e resultado: vendi muitas cópias do meu livro para amigos, familiares, professores e outras pessoas. R$5 reais cada um, e eu me senti uma super autora! :laughing:


#99

Que lindo!


#100

Podia compartilhar o livro aqui conosco!!! :slight_smile:


#101

ADORARIA!!! Acreditam que não tenho cópia do livro? Na época não tive preocupação em salvar o digital, e acho que a minha versão impressa se perdeu em meio a mudanças, mas tenho amigos e familiares que ainda têm. Preciso pedir “emprestado”. :smile: